Assembleia Ordinária apresentou resultados de 2017

A CAURN realizou na manhã desta terça-feira (20) a Assembleia Ordinária de 2018. No evento, comandando pela presidente do Conselho Diretor, Eliane Alves da Rocha, foram apresentados os resultados de 2017 que apontaram números abaixo do esperado e a necessidade de adequações para atender as exigências da Agência Nacional de Saúde (ANS).

Para a contadora da CAURN, Adriane Santos, o aumento das despesas assistenciais aliado ao resultado dos últimos anos vem fazendo com que o plano tenha dificuldades em bater as metas exigidas pela ANS. "Tivemos um resultado negativo que é caracterizado, principalmente, pelo aumento das despesas médicas, aliada ao não cumprimento dos percentuais determinados pelo atuario para a aplicação dos reajustes. Como foi apresentado na Assembleia, nos últimos quatro anos a não-aplicação do percentual ideal gerou prejuízo que teve que ser rateado para se cumprir a meta da Margem de Solvência", explicou.

Na fala do diretor-presidente, Edilson Tavares, foi explicado a RN 209 que trata sobre a obrigação das operadoras para cumprir a Margem de Solvência, as consequências da não aplicação dos reajustes, os valores que mostram o aumento das despesas assistências e o Plano Global de atividades."Infelizmente o associado não vê essa assembleia como importante, mas ela é a melhor oportunidade de conhecer a rotina da Caixa de Assistência  saber porque são tomadas determinadas atitudes para a sobrevivência do plano".

Apesar do cenário adverso, a diretoria está atenta a movimentação da CAURN e já está trabalhando com foco em crescer e se firmar ainda mais no mercado. "Vamos comemorar 20 anos em 2018 e temos que pensar cada vez mais na continuidade da nossa Caixa. Vamos buscar aumentar o número de vidas nas entidades que podemos crescer, vamos buscar firmar nossa rede própria e dentro de um planejamento estratégico, buscar a melhor forma de dar ao associado o atendimento que ele merece, dentro das condições da CAURN", finalizou.

Comentar: